O desatino de Ezra Pound no mosaico da poesia moderna

por Homero Nunes
por Homero Nunes

In a Station of the Metro
The apparition of these faces in the crowd;
Petals on a wet, black bough.

A aparição destas faces na multidão;
Pétalas num úmido, negro ramalhete.

  

Ezra Pound ficou 13 anos em um hospício por suas ideias políticas. Doido ou não, talvez, foi declarado incapaz por flertar com o fascismo, duvidar da democracia, defender teorias econômicas controversas e produzir uma poesia moderna demais. Elitista, intelectualmente elitista, criticava a decadência da civilização e a monetarização das relações pessoais no capitalismo putrefato. Reacionário na política, revolucionário na poesia, Pound foi a contradição figurada no caos da consciência torturada do século XX. E teve tempo, longevo, para torturar sua consciência e se arrepender de muita coisa: 87 anos. Usando a poesia como instrumento, como artifício, “vórtice imagético” (como alguns críticos tentaram circunscrevê-lo), o autor construiu mosaicos de referências estilhaçadas do mundo antigo, medieval, renascentista, moderno, do ocidente e do oriente, e de mundos mentais, épicos e fantasiosos. Imagens, metáforas, citações e referências múltiplas; uma erudição que causa vertigens em nossa mediocridade. Esqueça o fascismo, o autoritarismo, o elitismo ou qualquer outro ismo relacionado a Ezra Pound, sua poesia supera todos eles no ismo final do aforismo, poesia pura no mosaico da modernidade.
Ezra Pound (1885-1972) fotografado por Cartier-Bresson em 1971

O RETORNO
Veja, eles retornam; ah, vê a tentativa
Movimentos, e os pés lentos,
O problema do ritmo e do incerto
oscilar!

Veja, eles retornam, um, e por um,
Com medo, como semi-acordados;
Como se a neve  hesitasse
E murmurasse ao vento,
dando meia-volta,
Estes eram os que tem medo de voar,
Invioláveis.

Deuses do sapato alado!
Com eles, os cães de prata,
farejando o rastro de ar!

E ASSIM EM NÍNIVE
Sim! Sou um poeta e sobre minha tumba
Donzelas hão de espalhar pétalas de rosas
E os homens, mirto, antes que a noite
Degole o dia com a espada escura.

Veja! não cabe a mim
Nem a ti objetar,
Pois o costume é antigo
E aqui em Nínive já observei
Mais de um cantor passar e ir habitar
O horto sombrio onde ninguém perturba
Seu sono ou canto.
E mais de um cantou suas canções
Com mais arte e mais alma do que eu;
E mais de um agora sobrepassa
Com seu laurel de flores
Minha beleza combalida pelas ondas,
Mas eu sou poeta e sobre minha tumba
Todos os homens hão de espalhar pétalas de rosas
Antes que a noite mate a luz
Com sua espada azul.

Não é, Raana, que eu soe mais alto
Ou mais doce que os outros. É que eu
Sou um Poeta, e bebo vida
Como os homens menores bebem vinho.

SAUDAÇÃO
Oh geração dos afetados consumados
          e consumadamente deslocados,
Tenho visto pescadores em piqueniques ao sol,
Tenho-os visto, com suas famílias mal-amanhadas,
Tenho visto seus sorrisos transbordantes de dentes
          e escutado seus risos desengraçados.
E eu sou mais feliz que vós,
E eles eram mais felizes do que eu;
E os peixes nadam no lago
          e não possuem nem o que vestir.


Compensa:
A poesia de Ezra Pound traduzida por Augusto e Haroldo de Campos

Os Cantos, de Ezra Pound

A Arte da Poesia, Ensaios de Ezra Pound

Neste últimoo poeta nos ensina a fazer poesia:

“Não use palavras supérfluas, nem adjetivos que nada revelam. Não use expressões como dim lands of peace (brumosas terras de paz). Isso obscurece a imagem. Mistura o abstrato com o concreto. Provém do fato de não compreender o escritor que o objeto natural constitui sempre o símbolo adequado.

Receie as abstrações. Não reproduza em versos medíocres o que já foi dito em boa prosa. Não imagine que uma pessoa inteligente se deixará iludir se você tentar esquivar-se aos obstáculos da indescritivelmente difícil arte da boa prosa subdividindo sua composição em linhas mais ou menos longas. O que cansa os entendidos de hoje cansará o público de amanhã.
Não imagine que a arte poética seja mais simples que a arte da música, ou que você poderá satisfazer aos entendidos antes de haver consagrado à arte do verso uma soma de esforços pelo menos equivalente aos dedicados à arte da música por um professor comum de piano.
Deixe-se influenciar pelo maior número possível de grandes artistas, mas tenha a honestidade de reconhecer sua dívida, ou de procurar disfarçá-la.
Não permita que a palavra influência signifique apenas que você imita um vocabulário decorativo, peculiar a um ou dois poetas que por acaso admire. Um correspondente de guerra turco foi surpreendido há pouco se referindo tolamente em suas mensagens a colinas cinzentas como pombas, ou então lívidas como pérolas, não consigo lembrar-me. Ou use o bom ornamento, ou não use nenhum.”
POUND, Ezra. Arte da Poesia, Ensaios. São Paulo: ed. Cultrix, 1976. (p.11-12)

www.facebook.com/issocompensa


Sobre os autores

Acompanhe