Pílulas de Literatura: Brodsky apud Bauman

por Homero Nunes

Edward Hopper, Excursion into Philosophy, 1959

“Vocês ficarão entediados com seu trabalho, seus cônjuges, seus amantes, com a vista de sua janela, a mobília ou o papel de parede de seu quarto, seus pensamentos, com vocês mesmos. Por conseguinte, tentarão imaginar maneiras de fugir. Além dos dispositivos de autossatisfação mencionados anteriormente, vocês podem assumir novos empregos, residências, empresas, países, climas, podem assumir a promiscuidade, o álcool, viagens, aulas de culinária, drogas, psicanálise…Na verdade, podem juntar tudo isso, e por algum tempo vai parecer que está funcionando. Até o dia, é claro, em que você acorda em seu quarto em meio a uma nova família e outro papel de parede, num estado e num clima diferentes, com uma pilha de contas do agente de viagens e do psicanalista, mas com o mesmo sentimento de fastio em relação à luz do dia que se infiltra pela janela…”
Joseph Brodsky, On Grief and Reason, 1995.
Apud BAUMAN, Zygmunt. Vida para Consumo. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. P. 144. 
Tradução de Carlos Alberto Medeiros.



Sobre os autores

Acompanhe