A devastadora poesia de Augusto dos Anjos

por Homero Nunes
Entre a melancolia e a crítica, a poesia de Augusto dos Anjos é, contraditoriamente, criativa e devastadora. O poeta, morto precocemente aos 30 (1884-1914), incorpora uma agressividade poética e estilística, na qual o feio, o horrendo, o estranho, são ressaltados de modo a configurar uma nova estética. Com ele, a poesia ganha uma carga destruidora e, ao mesmo tempo, romântica, capaz de causar estragos em muita gente. Fuja para o conforto da Bossa Nova ou estrague-se com Augusto dos Anjos.


Psicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênese da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundissimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância…
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme – este operário das ruínas –
Que o sangue podre das carnificinas
 
Come, e á vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há de deixar-me apenas os cabelos,
 
Na frialdade inorgânica da terra!


Versos Íntimos
Vês?!  Ninguém assistiu ao formidável  
Enterro de tua última quimera. 
 
Somente a Ingratidão — esta pantera — 
 
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!  
O Homem, que, nesta terra miserável, 
 
Mora, entre feras, sente inevitável 
 
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo.  Acende teu cigarro!  
O beijo, amigo, é a véspera do escarro, 
 
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,  
Apedreja essa mão vil que te afaga, 
 
Escarra nessa boca que te beija!

Solitário
Como um fantasma que se refugia
Na solidão da natureza morta,
Por trás dos ermos túmulos, um dia,
Eu fui refugiar-me à tua porta!

Fazia frio e o frio que fazia
Não era esse que a carne nos contorta…
Cortava assim como em carniçaria
O aço das facas incisivas corta!

Mas tu não vieste ver minha Desgraça!
E eu saí, como quem tudo repele,
— Velho caixão a carregar destroços —

Levando apenas na tumba carcaça
O pergaminho singular da pele
E o chocalho fatídico dos ossos!



O livro “Eu e Outras Poesias” é de domínio público e está disponível para download:

Sobre os autores

Acompanhe