Black Givenchy: Audrey Hepburn tomando café na Tiffany’s

por Homero Nunes
Amanhecendo na 5ª avenida mais vazia da história de Nova York, um táxi estaciona e dele desce Audrey Hepburn num pretinho básico de Hubert de Givenchy. O frio do horário parece não incomodar os ombros de fora, o decote em >< nas costas, luvas 7/8, colar de pérolas, grandes óculos escuros, um bagel e o copinho de isopor com o café. Uma melancólica Moon River faz o clima da trilha. Número 727, calçada da Tiffany & Co., reflexos na vitrine: os devaneios arrefecem as angústias da vida.
 
 
Breakfast at Tiffany’s, 1961.
A piteira melindrosa longa, aquele olhar felino e o Black Givenchy, fizeram de Audrey Hepburn a própria Bonequinha de Luxo. Holly Golightly, uma linda, elegante e sedutora prostituta de classe. Sonhadora. Bonequinha de Luxo foi o filme de Audrey Hepburn. Não foi o maior papel, nem melhor atuação, mas foi o papel que fez o mito. Foi indicada ao Oscar por ele, prêmio que já tinha ganhado em 1954 por Roman Holiday. Qualquer coisa que estivesse vestindo, mesmo nua, seria Audrey Hepburn, mas por nosso azar ela vestia o pretinho básico mais fino que o mundo já viu. Um ícone, um dos vestidos mais famosos do cinema. Fomos todos seduzidos.
Incrível é o vestido roubar a cena com uma mulher desta na tela. Certamente pelo conjunto, por ser vestido justamente por ela. Givenchy o desenhou para ela. Audrey e Hubert já eram amigos íntimos, quando ele foi convidado a participar do filme. Ela belga, ele francês, falavam a mesma língua, o melhor idioma que um estilista pode esperar de uma modelo: a elegância. Um valorizou o outro, ela belíssima no vestido, o vestido belíssimo nela. Também foi de Givenchy a ideia dos acessórios, luvas, o máxi colar de pérolas e da piteira melindrosa. Tudo deu a Audrey o ar superlativo da personagem, ela retribuiu dando ao amigo a eterna referência no mundo da moda.
Um vestido preto e básico é o coringa de toda mulher. Difícil é se comparar ao modelo, ao tipo ideal criado por Audrey Hepburn e Hubert de Givenchy.
Audrey Hepburn e Hubert Givenchy em Paris
Cópias
Em 2006 o vestido foi a leilão na Christie’s, arrematado pela bagatela de 692.390 euros. Antes da venda foi vestido por Natalie Portman para a foto que ilustrou a Harper’s Bazar.
 
 
Se o original custou tanto, cópias batatas e caras se espalharam por anos e ainda estão por aí. Cópias, adaptações, inspirações ou quaisquer outras formas de plágio que “homenageiam” o mito criado naquele café da manhã na porta da Tiffany. Há quem diga que o vestido mesmo seria cópia de um clássico criado por Coco Chanel nos anos 30, contudo, também há quem diga que todos os pretinhos básicos do mundo, até os criados antes, são cópias daquele único, do Black Givenchy de Audrey Hepburn em Bonequinha de Luxo.
 
 
Bonequinha de Luxo
dirigido por Blake Edwards
adaptado do original de Truman Capote
com George Peppard
Paramount, 1961
 
 

Sobre os autores

Acompanhe